• 12 de janeiro de 2023
  • 15 minutos

CRI e CRA: confira nosso guia e desvende tudo sobre esses investimentos!

15 minutos

Investimentos isentos de Impostos é um dos favoritos dos brasileiros – e é fácil entender por quê. Duas opções que vem caindo nas graças da população são os chamados CRI e CRA — Certificados de Recebíveis Imobiliários e Certificados do Agronegócio. 

Embora sejam títulos de renda fixa distintos, eles compartilham muitas características. Para investidores cansados ​​do Tesouro Direto e em busca de opções de renda fixa mais ousadas, CRIs e CRAs podem ser boas alternativas. 

Os certificados de recebíveis, geralmente, pagam mais do que os títulos do governo e são emitidos por empresas privadas chamadas de securitizadoras. Estão lastreados em operações de crédito relacionadas aos setores imobiliário e agroindustrial. 

Ficou interessado? Leia este guia para saber como investir em CRIs e CRAs com facilidade e obter ótimos resultados!

Conheça os Investimentos Financeiros Ailos e invista com rentabilidade acima da média do mercado!

Quais as principais diferenças entre investimentos CRI e CRA?

Como veremos ao longo deste artigo, esses são alguns dos principais investimentos em renda fixa e um importante mecanismo para o desenvolvimento de setores-chave da economia: o mercado imobiliário e o agronegócio. 

Vamos entender cada um deles em detalhes a seguir.

Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI)

Conforme mencionado anteriormente, um CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários) é um investimento destinado a financiar operações no mercado imobiliário, semelhante a uma LCI (Carta de Crédito Imobiliário). 

São títulos emitidos por instituições que não fazem parte do setor financeiro para financiar a execução de projetos de expansão do setor imobiliário. 

Dessa forma, o proprietário do imóvel que deseja ampliar ou reorganizar pode solicitar a emissão de um CRI e, para esse empréstimo, oferecer o valor do aluguel que receberá na área como garantia do dinheiro futuro em troca da obra.

A securitizadora então emitirá CRI e preverá os aluguéis. Isso é feito mediante o pagamento de uma taxa anual de 5% + IPCA

Ou seja, você compra um título e "empresta" seu dinheiro ao emissor desse título. Como compensação, você recebe de volta os fundos emprestados por meio de juros e correções cambiais. Isso acontece dentro do prazo acordado no momento da compra. 

O que é a securitização dos CRIs e CRAs?

Nesse caso, a securitização é o ato de converter dívidas imobiliárias ou agropecuárias em títulos. Desta forma, eles podem ser negociados livremente entre os investidores. Desta forma, eles podem ser negociados livremente entre os investidores. 

Aliás, essa prática é regulamentada pela Lei 9.514/97, que é responsável por permitir que sociedades securitizadoras de recebíveis imobiliários definidas como instituições não financeiras emitam certificados de recebíveis imobiliários (CRI). 

A lei também permite que as instituições de securitização emitam, adquiram e vendam certificados.

Para os certificados de contas a receber do agronegócio (CRAs), as regras são as mesmas, mas valem para títulos relacionados à produção agropecuária. 

A vantagem de investir em CRIs e CRAs por meio de corretoras é que, além de poder adquirir esses títulos, também existem outras aplicações interessantes para investir neles. 

Assim, os investidores podem diversificar sua carteira de investimentos com diversas opções de alta renda e aumentar a segurança de seus investimentos.

Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA)

Por sua vez, um CRA (Certificado de Contas a Receber Agrícola) é muito semelhante a um CRI. 

O maior diferencial é que ele é voltado para o agronegócio. Portanto, pode-se dizer que possui algumas semelhanças com a LCA (Carta de Crédito do Agronegócio). 

Embora CRIs e CRAs compartilhem semelhanças com LCIs e LCAs, é importante observar que são investimentos que operam de maneiras diferentes. 

Outra informação importante é que CRI e CRA são aplicações para quem já investe no mercado e está acostumado a investir valores maiores ou mais arriscados.

Qual a diferença entre CRI e CRA e debênture?

Embora CRIs e CRAs e títulos sejam utilizados para financiar novos projetos, existem diferenças entre os diferentes investimentos. 

Afinal, para uma empresa viabilizar um novo projeto, muitas vezes ela recorre ao mercado de capitais. 

Em seguida, emite títulos por meio da plataforma de um banco ou corretora, emprestando seu capital em troca de uma taxa de juros. 

A partir daí, receitas, taxas, prazos, investimentos mínimos e tipos de garantias variam de empresa para empresa. 

Todas essas informações constam na escritura de oferta, que define, inclusive, onde será aplicado o dinheiro captado por meio do título.

Existem muitas diferenças entre os títulos. Podem acarretar vencimentos, remunerações, rendimentos, garantias e riscos diversos, conforme o caso. 

É importante avaliar cada opção com um consultor de investimentos. Dependendo das características da empresa que busca financiamento, o prazo de investimento de diferentes títulos pode variar muito, mas geralmente são considerados prazos mais longos. 

Alguns títulos expiram em apenas alguns meses, enquanto outros expiram em mais de uma década. 

A diferença fundamental entre títulos e CRIs e CRAs é que os primeiros podem ser emitidos por qualquer empresa e quase sempre são para diversos tipos de projetos. 

A CRI é voltada principalmente para empreendimentos no mercado imobiliário. O CRA, por sua vez, destina-se a financiar novos programas para o agronegócio. 

Por exemplo, não é incomum que empresas do setor de alimentos emitam títulos. Por exemplo, eles poderiam emitir títulos para financiar a expansão de um novo centro de distribuição ou construir uma nova unidade de vendas. 

Tudo depende da estratégia das empresas envolvidas. Por outro lado, os CRI e CRA foram criados para facilitar o acesso ao mercado de capitais para os setores imobiliário e agrícola, dadas as dificuldades enfrentadas pelos bancos.

Quais as semelhanças e diferenças entre CRI, CRA, LCI e LCA?

LCI e LCA, CRI e CRA, apesar de nomes parecidos, estão todos relacionados aos setores imobiliário e do agronegócio, mas cada um tem suas especificidades. 

Por se tratarem de investimentos com finalidades distintas, é preciso entender suas semelhanças e diferenças, resumidas na lista abaixo:

  • LCI e LCA: emitidos por instituições financeiras, usados para a captação de recursos, têm isenção de IR e IOF, têm proteção do FGC, para curto e médio prazo, rentabilidade prefixada, pós-fixada ou híbrida, baixa liquidez; 
  • CRI e CRA: emitidos por securitizadoras, representam uma promessa de pagamento, têm isenção de IR e IOF, não têm proteção do FGC, para médio prazo, rentabilidade prefixada, pós-fixada ou híbrida, baixa liquidez.

Portanto, antes de investir, avalie qual tipo de título tem as características adequadas para seus objetivos financeiros.

Modelos de rentabilidade de CRI e CRA

Com relação à rentabilidade dos CRI e CRA, podem ser encontrados 3 tipos de títulos. Veja mais detalhes sobre eles abaixo.

1. Prefixada

Depois de comprar seu certificado, você sabe quanto receberá no final do período.

2. Pós-fixada

Você tem apenas uma estimativa da rentabilidade do CRI e CRA, pois algumas flutuações nos mercados financeiros podem afetar a rentabilidade final.

3. Híbrida

É possível combinar parte da receita em uma taxa pré-fixada e outra parte nas oscilações de alguns indicadores econômicos, como CDI (Certificado de Depósito Interbancário) e IPCA (Índice de Preços ao Consumidor).

Lembre-se que os CRIs e CRAs são considerados títulos ilíquidos caso os clientes precisem vender seus títulos antecipadamente. 

As corretoras de valores mobiliários normalmente negociam valores mobiliários de emissores de pequeno a médio porte. 

Isso acontece porque essas instituições costumam oferecer melhores retornos para atrair investidores. 

Portanto, investir por meio de uma corretora costuma ser mais interessante do que por meio de um banco.

Quais são as principais vantagens dos investimentos CRI e CRA?

Como você viu anteriormente, uma das principais vantagens de investir em CRIs e CRAs tem a ver com a isenção de impostos. 

No entanto, existem outros benefícios em investir nesses produtos. Confira abaixo algumas outras vantagens de investir em CRIs e CRAs.

Baixo risco

Uma das principais vantagens do CRI e do CRA é que eles podem exigir uma remuneração maior do que os títulos públicos, mantendo o risco baixo nas operações.

Variedade

Quando falamos de CRIs e CRAs, existem muitas opções de prazos, emissores, processos de pagamento e índices nesses assuntos, permitindo que qualquer investidor adquira ativos com diferentes objetivos e horizontes.

Isenção de Imposto de Renda

As principais vantagens do CRI e do CRA são a rentabilidade e a isenção do imposto de renda, tornando a remuneração líquida. Em suma, as emissões de CRI e CRA são isentas de imposto de renda para pessoas físicas.

Remuneração líquida

Os mercados secundários de CRIs e CRAs cresceram nos últimos anos, permitindo que os investidores saiam das negociações antes do vencimento. Em outras palavras, tornar o mercado mais líquido.

Custos reduzidos

O custo de investimento em CRIs e CRAs é baixo. Alguns corretores nem cobram taxas de administração pelos serviços de execução. Outros podem cobrar uma porcentagem do valor do investimento.

Quais são os principais riscos de investir em CRI e CRA?

Além das vantagens atreladas ao investimento, também existem alguns riscos envolvidos nessa operação. Veja alguns deles a seguir.

Risco de inadimplência

Conforme mencionado logo acima, os CRIs e CRAs apresentam maior risco do que outros investimentos de renda fixa. A primeira é o crédito, em que a inadimplência do devedor compromete o retorno do investimento.

Se o mutuário não pagar os juros e o principal, o investidor sofrerá perdas. O nível de risco depende da força do mercado e do momento da originação do empréstimo.

Risco de liquidez

Embora exista a possibilidade de CRI e CRA venderem títulos em mercados secundários, o risco de liquidez sempre existe. 

Isso porque, no mercado secundário, os investidores nem sempre conseguem encontrar compradores para seus títulos, e podem não conseguir resgatá-los rapidamente, se necessário. 

Para evitar o risco de liquidez, é importante que os investidores contribuam de acordo com suas metas e objetivos. 

Dessa forma, você poderá alocar recursos de forma confiável de acordo com suas necessidades – evitando a necessidade de prever resgates de investimentos em momentos de adversidade.

Variações do mercado

A rentabilidade de investir em CRIs e CRAs pode ser afetada em caso de possíveis oscilações nas taxas de juros e juros, índices de preços, ou mesmo mudanças bruscas na economia.

Ausência de garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC)

Uma das principais vantagens dos CRIs e CRAs em relação a outros investimentos de renda fixa é que eles não são garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que protege os investidores em caso de insolvência de uma instituição financeira.

Como se proteger desses riscos?

A melhor maneira de investir e se proteger é focar na qualidade das empresas securitizadas. 

As empresas devem estar bem estabelecidas no mercado e ter boas avaliações para oferecer títulos com maior segurança nos pagamentos. 

Além disso, a diversidade é considerada uma grande aliada na gestão de riscos. Portanto, espalhe seu investimento entre vários produtos. 

Evite investir grandes quantias de dinheiro em um único título, alocando parcelas menores nos títulos de maior risco. 

Assim, você pode controlar a parcela de risco de sua carteira e ser menos afetado em caso de inadimplência. Recomenda-se que esta parte não exceda 5% do seu patrimônio líquido.

Como investir em CRI e CRA?

Agora que você já sabe o que são CRI e CRA, vamos te mostrar que o procedimento para investir nessas aplicações, assim como em outras aplicações de renda fixa, é muito simples. Confira o passo a passo abaixo!

Abra sua conta em uma corretora

Ao escolher um corretor, considere aspectos como custos operacionais, variedade de opções de investimento, qualidade das plataformas de negociação e acesso ao suporte de consulta. 

Por exemplo, existem corretoras que oferecem taxas zero em todos os investimentos de renda fixa. É comum que novos CRIs ou CRAs sejam listados como alvos de ofertas públicas. 

Para comprar títulos nessa situação, verifique se sua corretora atua como distribuidora de valores mobiliários. Se não, você pode precisar encontrar outra agência.

Consulte o prospecto

Este é um documento que fornece todas as informações importantes sobre a oferta. Por exemplo, o material informa detalhes dos recebíveis contidos em cada título, a remuneração prometida aos investidores, prazos, condições de distribuição, etc.

Defina a sua estratégia e escolha seu título

Caso os objetivos do investidor se encaixem nas características da tese, CRI ou CRA seriam uma boa aplicação. 

Por isso, o primeiro passo é avaliar o seu próprio perfil de investidor e os objetivos que você traçou para o dinheiro que vai investir. 

É necessário considerar o período de investimento e a probabilidade de que o dinheiro seja necessário antes disso. Também é importante verificar o nível de risco de um título. 

Se os recursos que você tem para investir em documentos de contas a receber representam uma parcela muito relevante do seu patrimônio, o risco para você pode acabar sendo muito alto. Lembre-se, o FGC não cobre CRIs e CRAs.

Compare também os prazos e retornos oferecidos pelo certificado com os de outros investimentos com perfis de risco semelhantes. 

Tente entender por que você vê a diferença. As recompensas propostas para produtos financeiros são maiores dependendo dos riscos envolvidos.

Depois de analisar o prospecto do CRI e CRA, e identificar um título adequado à sua estratégia, solicite uma reserva junto à sua instituição financeira. 

Neste ponto, você deve indicar o número de livros que deseja adquirir. Divulgar ao final do período o preço final do título de contas a receber e a quantidade a que cada investidor terá direito.

Solicite a reserva 

Caso a informação o convença a investir em um CRI ou CRA, você precisará fazer uma reserva informando à corretora quantas ações pretende comprar. 

Isso deve ser feito durante o chamado "período de espera", que é um período de tempo (geralmente algumas semanas) reservado especificamente para o procedimento. 

Ao final do período, a organização organizadora da emissão divulgará o preço final do título e a quantidade de certificados que cada investidor poderá obter (distribuídos quando a oferta for superior à demanda). 

Você também pode estar interessado em certificados que já estão em circulação no mercado secundário — ou seja, certificados que foram oferecidos no passado e atualmente estão disponíveis apenas para outros investidores. 

Neste caso, a corretagem também é a forma de obtenção de CRI e CRA.

Analise os valores mínimos e riscos

Para certificados de contas a receber, pode ser exigido um valor mínimo de investimento dependendo do nível de risco e retorno potencial de cada título. 

Algumas ofertas podem estabelecer um investimento inicial de R$300 mil ou mais. No entanto, em algumas corretoras, CRI e CRA podem ser adquiridos por até R$10.000.

Independentemente de ser em oferta pública ou no mercado secundário, a composição de cada título de recebíveis deve ser analisada criteriosamente. 

Isso o ajudará a evitar a exposição a títulos com risco de crédito excessivo, caso esse não seja o seu objetivo. 

Procure conhecer a securitizadora que emitiu os documentos e verifique se é utilizado algum sistema fiduciário. 

CRIs e CRAs muitas vezes também recebem ratings, notas atribuídas a papéis por agências independentes que buscam avaliar seu risco de crédito. 

A classificação indica se o produto apresenta alto ou baixo risco de inadimplência.

Transfira o dinheiro para a corretora e finalize o aporte

Feito isso, basta transferir o valor para a conta da sua corretora e executar a ordem de investimento. Pronto! Você já tem investido em CRI e CRA.

Conheça os Investimentos Financeiros Ailos e invista com rentabilidade acima da média do mercado!

Perguntas frequentes sobre CRI e CRA

Agora que você já aprendeu tudo sobre o assunto, reunimos as principais perguntas relacionadas ao CRI e ao CRA. Confira a seguir quais são elas!

CRI e CRA têm IR?

Não, essa é uma das principais vantagens de investir em CRIs e CRAs, pois sua renda não é tributada.

O que significa CRI e CRA?

CRI, que significa Certificado de Contas a Receber Imobiliário e CRA, Certificado de Contas a Receber do Agronegócio, ambos são baseados em operações de crédito relacionadas ao setor imobiliário e ao agronegócio, respectivamente.

Quem emite CRI e CRA?

CRI e CRA são emitidos por sociedades securitizadoras, ou seja, instituições financeiras responsáveis ​​pela conversão de contas a receber em títulos no mercado de capitais nacional e estrangeiro.

Conclusão

As vantagens ou desvantagens práticas de investir em CRI e CRA dependerão do seu perfil de investidor e suas estratégias de investimento. 

Tanto os CRIs quanto os CRAs são opções interessantes se você busca um investimento de longo prazo, aquele que você investe agora e só se preocupa em resgatar depois de um tempo. 

Nesse caso, ambos os aplicativos podem trazer bons retornos, ainda mais se forem comercializados com o IPCA como indicador de rentabilidade em um modelo relacionado à inflação (híbrido). 

Usando o IPCA como indexador, você pode garantir que o retorno do seu investimento será igual ou superior à inflação, ou seja, nunca ficará abaixo da inflação. 

Dessa forma, sua aplicação fica protegida de possíveis depreciações devido a mudanças no índice de inflação. 

No entanto, vale ressaltar que, como não há garantia do FGC, esse tipo de investimento têm um risco um pouco maior e os investidores precisam ser mais cautelosos.

Para ter uma noção melhor de como investir nesses ativos, conheça os Investimentos Financeiros Ailos!

ailos_blog_admin

Receba nossa newsletter

Inscreva-se

Faça um comentário

Últimos comentários (0)

Ocultar comentários
O Internet Explorer está sendo descontinuado.
Por favor, use outro navegador para acessar o blog. Veja alguns navegadores que você pode utilizar: